pesquisar neste blog
posts recentes

O motor da aplicação

Mód. TP6 – Testes

Mód. TP6 – Versão Beta

"Não descansaremos enquanto não pusermos o virtUA a crescer"

#1 BASTIDORES: Criação do Pavilhão I

Testes ao projecto Virtua

Jardinagem virtual: Luta contra os bugs!

Informações sobre versão Beta de Virtua

Mód. TP5 – Prototipagem de alta fidelidade (2/2)

Mód. TP5 – Prototipagem de alta fidelidade (1/2)

arquivos

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Quinta-feira, 31 de Março de 2011
Mód.TP3 – Demo gráfica e técnica (2/3)

Conclusão e reflexões sobre as demos

 

Com o desenvolvimento destas demos (gráfica e técnica), pode-se concluir que estas são decisivas para seleccionar das múltiplas soluções que possam servir necessidades em especial, a mais eficiente quer para o utilizador quer para a equipa.

Nem sempre é fácil decidir qual a solução que se correlaciona melhor com os cenários e objectivos da aplicação, que exija menos esforço (mental e físico) por parte do utilizador e a que seja mais fácil de construir. Para responder a este desafio, foi necessário perceber desde o estado inicial do projecto - o que há de benéfico em ambientes de navegação virtual para aplicar-se na aplicação da evolução do campus (análise SWOT e revisão do estado de arte).

De um modo geral, algumas funcionalidades da DEMO gráfica permitiram que se começasse a definir prioridades de implementação, algumas regras de usabilidade e acessibilidade (economia do nº de cliques, várias opções de navegação na aplicação), regras de interacção e fortaleceu a ideia da disposição dos conteúdos ao utilizador.

 

A equipa tem consciência de algumas fragilidades do desenvolvimento das DEMOS. Estas reportam soluções ao nível macro que satisfazem o estado de arte e dão resposta às funcionalidades básicas da aplicação. Porém, parecem existir algumas incongruências ao nível micro, nomeadamente ao nível de:

 

No que diz respeito à DEMO técnica da aplicação, esta permitiu detectar e resolver problemas que não estavam contemplados na fase de planeamento – nomeadamente os elementos GUI apenas funcionarem dentro de funções onGUI () que chamadas continuamente na aplicação tal como um enterFrame e apenas controladas com uma sucessão de ifs, a codificação de caracteres em utf8 e a formatação de texto e a importação de imagens quer para a integração informativa na aplicação quer para a importação de texturas.

A implementação do mapa da aplicação de navegação virtual na demo técnica, também ajudou a verificar qual a melhor forma de potenciar a sua acção na aplicação e na forma como poderá ajudar o utilizador ao percorrer o campus. Algumas ideias retiradas, como alteração do ângulo bem como um acompanhamento mais real do utilizador (ex. o mapa deve acompanhar a rotação do utilizador).

Para fornecer maior realismo, ao campus, também se considerou a inclusão de pessoas, vestidas à época, a passear no campus. Dessa forma também se enriquece o cenário com algum dinamismo.

Para concluir, é de referir que as decisões das demos gráficas e técnicas da aplicação são primordiais para desenvolvimentos futuros e o apuramento da especificação técnica. Estas reduzem a incerteza técnica e contribuem para o afunilamento de decisões e coesão do grupo.

 

tags: , ,

publicado por palexandre às 21:38

editado por lilianavale às 20:54

pesquisar neste blog
mais sobre mim

goncalvessilva

lilianavale

palexandre

pedro-charneca

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post

posts recentes

O motor da aplicação

Mód. TP6 – Testes

Mód. TP6 – Versão Beta

"Não descansaremos enquanto não pusermos o virtUA a crescer"

#1 BASTIDORES: Criação do Pavilhão I

Testes ao projecto Virtua

Jardinagem virtual: Luta contra os bugs!

Informações sobre versão Beta de Virtua

Mód. TP5 – Prototipagem de alta fidelidade (2/2)

Mód. TP5 – Prototipagem de alta fidelidade (1/2)